EU APOIO A EDUCAÇÂO ABERTA

EU APOIO A EDUCAÇÂO ABERTA

domingo, 19 de fevereiro de 2012

ESTRATÉGIA DE LEITURA / COMO TRABALHAR LEITURA ?

A título de exemplo: O MENINO JOÃO




Já era tarde quando Marcelo saiu da escola e, embora soubesse que

estava atrasado, não resistiu à cena daquele cachorrinho parado ali, na calçada, com a

pata machucada e os olhos de quem precisa de carinho. Durante alguns instantes,

Marcelo permaneceu estático, olhando só. Logo logo virou-se, para seguir seu

caminho, mas não foi capaz. Sem pensar no que sua mãe iria dizer, abaixou-se e, com

todo o cuidado, pôs o pequeno animal no colo, a mochila nas costas e seguiu, eufórico,

para casa.





Questionários de "interpretação" tradicionais perguntariam: "Quem o menino

levou para casa?" ou "O que o menino fez com cachorrinho que encontrou?"

Quaisquer que fossem as opções oferecidas, as respostas só poderiam ser,

respectivamente, "o cachorrinho (machucado)" e "levou-o para casa". Este tipo

de questão nada acrescenta à leitura, além da simples decodificação.

A fim de levar à reflexão, a pergunta elaborada poderia ser, por exemplo, assim:



"Levando o cachorrinho para casa, o menino demonstrou ..."

[ ] Compreensão [ ] Desejo de possuir um cachorrinho

[ ] Sensibilidade [ ] Irresponsabilidade

[ ] Caridade [ ] Amizade pelos animais

[ ] Indiferença [ ] ____________________

As respostas mais prováveis seriam "caridade", "amizade pelos animais",

"sensibilidade" ou "desejo de possuir um cachorrinho". Isso não significa que o

aluno não pudesse privilegiar a "compreensão", apontando-a como a melhor

resposta, na medida em que o menino efetivamente "compreendeu", por seu

olhar, que o animal precisava de ajuda, ou a "sensibilidade", já que o menino se

mostrou sensível ao sofrimento do cãozinho.



Seria o caso, no entanto, de admitir que as respostas "irresponsabilidade" ou

"indiferença" seriam, com segurança, inadequadas? Se consideramos que

Marcelo tomou tal atitude sem consultar os adultos com quem vive, podemos

vislumbrar na sua atitude "indiferença", ao menos em relação à opinião de sua

mãe. Por outro lado, também não deixa de haver certa irresponsabilidade em

seu ato, na medida em que apanhar um animal desconhecido na rua envolve

graves riscos de contrair doenças.

Portanto, se, em função da experiência de vida do aluno, estas outras hipóteses

fossem valorizadas pelo leitor, seria naturalíssimo que estas duas opções lhe

parecessem mais adequadas, ao invés da "amizade pelos animais", por hipótese.

Mas todas essas opções poderiam ainda não ser satisfatórias para um outro

aluno, que sempre tivesse sonhado em ser veterinário, e que, em função disso,

viesse a responder: "prazer em cuidar de animais", hipótese capaz de

compatibilizar a realidade do texto com sua realidade de vida.

O importante é a múltipla escolha permitir que valores pessoais sejam expressos

nas diferentes hipóteses de escolha, enquanto base para a modelagem de uma

leitura própria, desde que não firam o que se diz no texto. Por esse princípio,

seria inadequada, nesse caso, por exemplo, a resposta "não ligar para os

animais", pois o que o texto diz contraria essa idéia, embora abra espaços para

inúmeras outras.



Este último objetivo liga-se, basicamente, ao caráter mágico da literatura. À

medida que é posto em contato com textos criativos, o aluno tende a permitir-se

ousar, falando, escrevendo, desenhando, ou seja, construindo mundos a que ele

chega tirando os pés do chão.

Algumas experiências anteriores a nosso trabalho já demonstram a validade da

utilização da literatura infantil como elemento que estimule a criatividade,

principalmente quando se objetiva o desenvolvimento da escrita. "Todos nós --

adultos e crianças -- somos potencialmente criativos. O despertar dessa

criatividade depende apenas de uma estimulação adequada".

A leitura de bons livros -- criativos, estimulantes, instigantes -- gera no aluno

uma predisposição natural a essa "ousadia". Como uma parcela considerável da

literatura infanto-juvenil se fundamenta no fantástico, se as atividades de criação

-- marcadamente as de produção de texto -- ocorrem após um trabalho de

leitura solidamente articulado, os resultados obtidos são significativamente

melhores, ou seja, os textos produzidos se apresentam mais bem estruturados,

fugindo ao lugar-comum, buscando variações tanto no que se diz quanto na

maneira como diz.texto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário