quinta-feira, 23 de maio de 2013

“A POESIA É NECESSÁRIA”Rubem Braga



“A POESIA É NECESSÁRIA”  Rubem Braga . Eu afirmo  que é tão necessária como afirma Fernando Pessoa em AUTOPSICOGRAFIA “O poeta é um fingidor.Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor.A dor que deveras sente”
“QUE A ESCOLA SAIBA ATRAIR PARA A CENTELHA DE MARAVILHAMENTO QUE CARACTERIZA UM POEMA “ Ana Maria Machado

García Lorca descreve um pandeiro, por exemplo, dizendo “SUA LUA DE PERGAMINHO. PRECIOSA TOCANDO VEM.” Ou quando Jorge de Lima afirma que “HÁ SEMPRE UM COPO DE MAR PARA UM HOMEM NAVEGAR”. Ou ainda quando Manoel Bandeira CONCLUI QUE UM PORQUINHO- DA- ÍNDIA FOI A SUA PRIMEIRA NAMORADA. Ou João Cabral de Melo Neto afirma que o nascimento de um menino é belo “COMO UM CADERNO NOVO QUANDO A GENTE O PRINCIPIA.” Ou Paulo Mendes Campos resume: “ SOU RESTOS DE UM MENINO QUE PASSOU.” Ou quando Carlos Drummond de Andrade constata: “MAS AS COISAS FINDAS, MUITO MAIS QUE LINDAS,ESSAS FICARÃO.”E elas findam, como ensina Vinícius de Morais “DE REPENTE, NÃO MAIS QUE DE REPENTE.” “E, OS ANOS NÃO TRAZEM MAIS” afirma Casimiro de Abreu , e Olavo Bilac fala   em “ OUVIR ESTRELAS”, Gonçalves Dias garante: “MENINOS, EU VI”,Castro Alves ecoa a África a desafiar Deus “HÁ DOIS MIL ANOS TE MANDEI MEU GRITO, QUE EMBALDE DESDE ENTÃOCORRE O INFINITO,ONDE ESTÁS, SENHOR DEUS ? “ Só sei que continuo poetizando como em MOTIVOS de Cecília Meireles “Eu canto porque o instante existe /e a minha vida está completa./Não sou alegre nem sou triste:/sou poeta” mas por que tudo isto ? CECÍLIA MEIRELES explica : Sei que canto. E a canção é tudo.?/ Tem sangue eterno a asa ritmada./E um dia sei que estarei mudo:
— mais nada.”























segunda-feira, 13 de maio de 2013

"Voar sem ter asas, caminhar sem tirar os pés do chão, sonhar acordado, navegar em um mar de palavras, soltando a imaginação".,













A leitura

Caminho entre prateleiras;
Eiras... beiras de papéis;
Deleito-me nas esteiras das rimas;
Poesias;
Crônicas... literaturas infinitas;
Embriago-me no coquetel das palavras;
Mistura inebriante de poeira e traça voraz???
Acelero meu intelecto;
Transporto-me para os contos...
De fadas;
De amadas... safadas...
Emoções...
Divagações!
Letras miúdas... cinzentas;
Impressão amarelada pelo tempo;
Puro conhecimento!
Escorrego nos "Ss"; "Us"...
Faço das letras diversão pueril...
Escorregadores; escadas e trampolins;
Me arrisco...
Despenco!
Embaraço-me nas cedilhas... nos tils;
Cerro meus olhos;
Entrego-me!
Deixo Sofia nas asas da imaginação me levar;
E me revelar...
Mistérios que somente o livro tem!

Quando você se sentir só... ou não quiser ser apenas mais um na multidão:LEIA UM LIVRO..




Quando você se sentir só...
ou não quiser ser apenas mais um na multidão,
quando quiser descobrir quem descobriu, quem inventou, como surgiu
nas curtas, médias e longas viagens
ou para ir até o infinito no tempo que dura um grito,
nos longos períodos horizontais,
para ir à festa do rei
ou viver fantásticas aventuras no mar,
para entender o que os bichos pensam da vida
ou atravessar o tempo como se atravessasse uma porta,
para saber como é bonito o mundo visto por um mosquito
ou, num instante, sentir a terrível solidão de um gigante,
quando o mundo vira uma geladeira e você um pinguim
nos dias chorosos
ou quando a Terra se bronzeia,
para sentir aquele medinho gostoso
ou quando quiserem fazer você de bobo

LEIA UM LIVRO...


Asa de Papel. Marcelo Xavier texto e il. Gustavo Campos fot. Formato. 1993.

Premiações:

Prêmio apca - Originalidade em Literatura Infantojuvenil - 1993

Prêmio Ofélia Fontes - FNLIJ - O melhor para crianças. 1993

Prêmio Jabuti - Melhor ilustrador - 1994.

ATIVIDADES DE LEITURA



O catador de pensamentos

A obra O Catador de Pensamentos, de Monika Feth, pertence ao Acervo
Básico FNLIJ – 1996.
 A história é de um velhinho chamado Sr. Rabuja, que todas as manhãs percorre as ruas da sua cidade recolhendo todo o tipo de pensamentos, porque ele é um catador depensamentos. Pensamentos bonitos, feios. Pensamentos barulhentos, silenciosos.
Pensamentos inteligentes e bobos. Pensamentos compridos e curtos. O Sr. Rabuja planta os pensamentos, quese transformam em flores e depois saem voando, colorindo o céu. Ele faz isso, para que os pensamentos se renovem e, assim, nunca deixem de existir.
Todas as cidades têm catadores de pensamentos, só que quase ninguém sabe, porque eles trabalham o mais discretamente possível. Se não existissem catadores de
pensamentos, os pensamentos ficariam todo o tempo se repetindo e, provavelmente, um dia deixariam de existir..
.
 1 ATIVIDADES PROGRAMADAS PARA A OBRA:

Antes da Leitura

Objetivos

Agir e refletir sobre a ilustração e a personagem do livro visando a estimular a
estratégia da inferência por parte destes.

Pretende-se estimular a curiosidade das crianças em relação ao livro e verificar se a
partir das novas informações, elas conseguem perceber qual a ideologia do texto.

Avaliar se os alunos possuem conceitos estereotipados sobre a personagem, para que
possamos discutir e tentar quebrar esses estereótipos.

As informações sobre a obra e autor foram retiradas do sitehttp://www.brinquebook.com.br/livro.php?id=209#


Propiciar a discussão sobre os conceitos de autor e ilustrador, com o intuito de que as crianças possam pensar acerca da sua importância, no âmbito da obra literária.

Atividades:

Colocar um cartaz com a ilustração da capa ampliada, sem o título e com o
nome da personagem (Sr. Rabuja).

 Questionar as crianças sobre o que elas acham que é o enredo do livro e deixar que elas falem sobre suas impressões em relação à personagem principal.

 O docente deve estimular a relação do nome com a aparência do Sr. Rabuja e estabelecer relação com o nome da personagem.

 Denominamos essa atividade de Cartaz Enigmático
.
Em seguida, o professor deve colar o título do livro no cartaz, para realizar a Exploração do Título e verificar com as crianças se as hipóteses levantadas por elas estão corretas.

Sugestões de questões para explorar o título:

- E agora, sobre o que acham que fala a história?
- O que será que significa a expressão “catador de pensamentos”?

Depois, o educador pode realizar a Exploração do autor e do ilustrador
da obra, por meio do levantamento de algumas perguntas aos alunos sobre
a atividade de cada uma dessas pessoas:

- O que faz um autor?
- Quais autores conhecem?
- O que faz um ilustrador?
Após a discussão, o professor cola a fotografia impressa do autor e do ilustrador do livro, para que as crianças observem.

Durante a leitura

Objetivos


Relacionar as informações textuais localizadas no texto com os conhecimentos prévios
dos alunos.

Identificar os elementos da matéria narrativa na história, enfatizando o narrador, as
personagens e o espaço.

Apreciar as ilustrações e o enredo da história, objetivando despertar o interesse das
crianças pela história.

Atividades propostas:

Para fazer a leitura da história, o educador pode entregar um exemplar da obra, para que cada estudante e solicitar que os mesmos realizem a leitura silenciosa e individualmente.

Após a leitura silenciosa, realizar a Leitura compartilhada

. Pedir aos alunos que se sentem em grupos de 3 (trios), para realizar a discussão e partilha das impressões e opiniões sobre a obra.

Em seguida, o professor faz a leitura com pequenas paradas em alguns momentos selecionados previamente, para formular questões que gerarão a discussão sobre a
obra e seus elementos. Em seguida, o educador entrega para cada grupo alguns adesivos ou papéis coloridos, a fim de que estes possam anotar e colar as respostas das questões feitas .

Logo após, o professor pode entregar o quadro Quadro Literário, contendo os fatores estruturantes da narrativa (espaço, personagens, o narrador, tempo, problema e o
desfecho). As colunas devem ser preenchidas com as partes do texto, a partir da informação textual.

 Com esse mapa, pretende-se estudar e discutir o que é necessário para se narrar uma
história.

A atividade a seguir é a Descrição do Espaço/Tempo, em que o docente apresenta um quadro contendo a figura da personagem e duas colunas, as quais os educandos devem preencher com os dados elencados na obra, sobre as mudanças de tempo e o espaço que ocorrem durante o enredo dessa história.

Depois da leitura

Aprofundar o conhecimento dos alunos em relação às qualidades e características
individuais de cada um, por meio da obra literária, comparando-as com as pessoas da
sala de aula.

Estabelecer uma relação com a narrativa proposta a partir das situações narradas no
texto e comparar com suas experiências pessoais.

Reconhecer e descrever seus pensamentos, por meio da história lida, e partilhar com
os colegas os sentimentos e impressões sobre a história.

Após a leitura do trecho sobre as características dos pensamentos pelos alunos,
o professor pode realizar o sorteio de algumas letras do alfabeto, para que os discentes em
trios possam definir as qualidades de alguns pensamentos com a referida letra, utilizando para isso o Dicionário. Denominamos essa atividade como Dicionário de Pensamentos,e as escolhas das qualidades dos pensamentos podem ser partilhadas com a turma, em um grande grupo.

A seguir, pode ser realizada a atividade do Cesto de Pensamentos. Nessa
atividade, o docente solicita que cada criança escreva em um pedaço de papel um pensamento que tenha sobre a família, os amigos ou a escola.

 Em seguida, peça a ela que coloque o seu pensamentos num cesto de vime, como fazia o Sr. Rabuja.

 Para que as crianças fiquem mais seguras, peça que elas rascunhem, no Diário de Leitura, primeiramente..

Depois as crianças confeccionam flores com papéis coloridos. Em seguida, elas devem escrever no miolo das flores os pensamentos e fazer um Canteiro de pensamentos,
contendo os pensamentos dos alunos.