terça-feira, 29 de julho de 2014

UM SUJEITO DEIXOU O SEGUINTE TESTAMENTO

Um homem rico estava muito doente. Pediu papel e pena. Escreveu assim:

"Deixo meus bens à minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do alfaiate nada aos pobres".

Esqueceu de fazer a pontuação da frase e morreu deixando com ela uma grande pergunta sem resposta: A quem deixava ele sua fortuna?
Eram quatro concorrentes: O sobrinho, a irmã, o alfaiate e os pobres.

1) O sobrinho fez uma cópia e colocou a seguinte pontuação:
"Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres".

2) A irmã chegou em seguida. A pontuação dela foi assim:
- "Deixo meus bens à minha irmã. Não a meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres".

3) O alfaiate pediu cópia do original. Puxou a brasa pra sardinha dele:
"Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres".

4) Aí, chegaram os pobres da cidade. Um deles, muito esperto, fez esta interpretação:
"Deixo meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate? Nada! Aos pobres".

***   ***   ***

Deus nos dá a VIDA. Nós colocamos a pontuação...


Um comentário:

  1. O valor da pontuação.

    Um homem rico, à beira da morte, deixa o seu testamento assim: "Deixo meus bens à minha irmã não ao meu sobrinho jamais será paga a conta do alfaiate nada aos pobres." (Luiz Bertin Neto)

    Não teve tempo de pontuar e morreu. A quem ele deixara a riqueza? Eram quatro os concorrentes: o sobrinho, a irmã, o alfaiate e o juiz.

    Segue um exercício de aplicação para vocês.

    Observando os textos abaixo, numere-os, usando os seguintes códigos:

    (A) O sobrinho reescreve o testamento em seu benefício;
    (B) A irmã reescreve o testamento em seu benefício;
    (C) O alfaiate reescreve o testamento em seu benefício;
    (D) O juiz decide doar os bens aos pobres e reescreve o testamento.

    ( ) "Deixo meus bens à minha irmã? Não! Ao meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres".
    ( ) "Deixo meus bens à minha irmã. Não ao meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres".
    ( ) "Deixo meus bens à minha irmã? Não! Ao meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres".
    ( ) "Deixo meus bens à minha irmã? Não! Ao meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate? Nada! Aos pobres".

    Conseguiram fazer a correlação? Vamos ver como ficaria o texto acima sob as quatro perspectivas:

    "Deixo meus bens à minha irmã? Não! Ao meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres". - alfaite (C)

    "Deixo meus bens à minha irmã. Não ao meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres". - irmã (B)

    "Deixo meus bens à minha irmã? Não! Ao meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres". - sobrinho (A)

    "Deixo meus bens à minha irmã? Não! Ao meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate? Nada! Aos pobres". - juiz (D)


    Agora, proponho um desafio a vocês:

    Empreguem APENAS UMA VÍRGULA no período a seguir: "Se o homem soubesse o valor que tem a mulher andaria de quatro a seus pés."
    Pronto ? Vamos lá!

    Se você é do sexo masculino, provavelmente empregou a vírgula após o verbo ter: "Se o homem soubesse o valor que tem, a mulher andaria de quatro a seus pés".

    Porém, se você é do sexo feminino, provavelmente empregou a vírgula após o vocábulo mulher: "Se o homem soubesse o valor que tem a mulher, andaria de quatro a seus pés".
    O que pretendo demonstrar com isso? Acho que vocês já perceberam que uma única modificação pode alterar completamente o sentido de um texto.

    Por exemplo, o emprego da vírgula:

    - pode ser uma pausa (ou não).

    Exemplos:

    Não, espere.

    Não espere.

    - pode denotar autoritarismo (ou não).

    Exemplos:

    Aceito, obrigado.

    Aceito obrigado.

    - pode criar heróis ou vilões.

    Exemplos:

    Isso só, ele resolve.

    Isso só ele resolve.

    Este, juiz, é corrupto.

    Este juiz é corrupto.

    - pode denotar uma solução.

    Exemplos:

    Vamos perder, nada foi resolvido.

    Vamos perder nada, foi resolvido.

    - pode mudar uma opinião.

    Exemplos:

    Não queremos saber.

    Não, queremos saber.

    É preciso que vocês, futuros servidores públicos, tenham muita atenção ao redigir um documento. Vejam o que uma simples vírgula pode ocasionar.

    Por hoje é só, pessoal!
    Até o próximo artigo.
    Ótimos estudos e grande abraço!
    Fabiano Sales.


    ResponderExcluir