segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

EU SEMPRE EU .................


 EU SEMPRE EU ................. Em meus agradecimentos, em primeiríssimo lugar quero agradecer a 1ª ligação de hoje que foi da minha filha, afilhada, prima, xodozinho, meu amor Tânia Paula Oliveira;
Agradeço de coração todas as pessoas que tiram 5 minutos do seu dia pra mandar um sms, um recadinho no facebook, um tweet ou qualquer outra coisa. Gostaria de agradecer um por um com um abraço bem apertado e dizer: obrigada por alegrar meu dia, mas não dá. Então, sintam-se abraçados nesse texto. Obrigada por fazer alguém se sentir especial sempre que, de alguma forma, dizem: ei, mesmo que não pareça, me lembro sempre de você
Quando vi, já era ontem. E de repente, minha infância, acabou. Meus medos? Bem, alguns deles me deparo todos os dias. A questão é que a vida passa em questão de segundos. Ontem eu tinha medo de cair da bicicleta e me machucar, hoje eu tenho medo de quebrar meu coração. E me machuco sempre. Ontem eu queria ser adulta, ter minhas próprias coisas e bater no peito pra dizer que já tinha idade suficiente pra resolver meus próprios problemas. Hoje, tudo o que eu quero, é um tempo livre pra curtir minha casa, minhas FILHAS Professora Fernanda K. O. Calixto . eLuana Mayra minha vida , minha cama, minha família, meus amigos, meus cachorros, meu tempo livre. Crescer traz responsabilidades e nem sempre a disponibilidade que precisamos. Mas tudo bem, é a vida.
Hoje completo mais um mano de vida, mais um de muitos, assim espero. E não dá pra não agradecer a todos os envolvidos. .
Doze meses se passaram desde a última vez que me senti assim. Não sei o que acontece, mas parece que a gente se renova. E no meio de tudo, se enche de esperanças de novo. Tem gente que não gosta de aniversários. Eu amo. Amo comemorar, mas odeio ficar velha mas fazer o que ? É o ciclo da vida ! Queria parar a vida num segundo, num determinado ano e aproveitar para sempre. Curtir eternamente. Queria não dividir a vida em meses, em horas, em regras. Queria que o presente não passasse e que o futuro não fosse tão incerto. Queria a presença de algumas pessoas que já se foram para comemorarem comigo, mas é complicado. A vida não muda, então vamos aos desejos.
Quero que minhas ilusões continuem sempre amadurecendo. Que continue acontecendo tantas coisas boas em minha vida como em 201 4 e nesse ano (2015). Que eu sempre conheça pessoas que valham a pena, como já conheci tantas. Que eu não me perca de mais nenhuma delas . Que eu consiga continuar passando o que sinto, e fazendo com que as pessoas sintam-se menos solitárias e que encontrem em mim as palavras que faltam nelas. Quero agradecer à vida, a tudo. Quero envelhecer vivendo assim, me deixando levar, me surpreendendo sempre. Amando a mim mesma com um amor sem rugas, e aos outros, com o mais puro sentimento. Quero muitas coisas. Sempre. Mas hoje, só quero agradecer. O-b-r-i-g-a-d-a a você que fez meu dia mais feliz!

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Seja o Cisne Roberto Shinyashiki

É um texto longo..mas realmente vale a pena ler. Simplesmente LINDO!!!!

 
"Talvez o maior desafio da vida moderna seja sermos nós mesmos em um mundo que insiste em modelar nosso jeito de ser.

Querem que deixemos de ser como somos e passemos a ser o que os outros esperam que sejamos.

Aliás, a própria palavra “pessoa” já é um convite para que você deixe de ser você.

“Pessoa” vem de “Persona”, que significa “máscara”.

É isso mesmo: coloque a máscara e vá para o trabalho.

Ou vá para a vida com a sua máscara.

Talvez o sentido do elogio: “Fulano é uma boa pessoa”, signifique na verdade: “Ele sabe usar muito bem a sua máscara social”.

Mas qual o preço de ser bem adaptado?

O número de depressivos, alcoólatras e suicidas aumenta assustadoramente.

Doenças de fundo psicológico como síndrome do pânico e síndrome do lazer não param de surgir.

Dizer-se estressado virou lugar-comum nas conversas entre amigos e familiares.

Esse é o preço.

Mas pior que isso é a terrível sensação de inadequação que parece perseguir a maioria das pessoas.

Aquele sentimento cristalino de que não estamos vivendo de acordo com a nossa vocação.

E qual o grande modelo da sociedade moderna?

Querer ser o que a maioria finge que é.

Querer viver fazendo o que a maioria faz.

É essa a cruel angústia do nosso tempo: o medo de ser ultrapassado em uma corrida que define quem é melhor, baseada em parâmetros que, no final da pista, não levam as pessoas a serem felizes.

Quanta gente nós não conhecemos, que vive correndo atrás de metas sem conseguir olhar para dentro da sua alma e se perguntar onde exatamente deseja chegar ao final da corrida?

Basta voltar os olhos para o passado para ver as represálias sofridas por quem ousou sair dos trilhos, e, mais que isso, despertou nas pessoas o desejo de serem elas mesmas.

Veja o que aconteceu a John Lennon, Abraham Lincoln, Martin Luther King, Isaac Rabin…

É muito perigoso não ser adaptado!

Essa mesma sociedade que nos engessa com suas regras de conduta, luta intensamente para fazer da educação um processo de produção em massa.

A maioria das nossas escolas trabalha para formar estudantes capazes de passar no vestibular.

São poucos os educadores que se perguntam se estão formando pessoas para assumirem a sua vocação e a sua forma de ser.

Quantos casos de genialidade que foram excluídos das escolas porque estavam além do que o sistema de educação poderia suportar.

Conta-se que um professor de Albert Einstein chamou seu pai para dizer que o filho nunca daria para nada, porque não conseguia se adaptar.

Os Beatles foram recusados pela gravadora Deca!

O livro “Fernão Capelo Gaivota” foi recusado por 13 editoras!

O projeto da Disney World foi recusado por 67 bancos!

Os gerentes diziam que a idéia de cobrar um único ingresso na entrada do parque não daria lucros.

A lista de pessoas que precisaram passar por cima da rejeição porque não se adaptavam ao esquema pré-existente é infinita.

A sociedade nos catequiza para que sejamos mais uma peça na engrenagem e quem não se moldar para ocupar o espaço que lhe cabe será impiedosamente criticado.

Os próprios departamentos de treinamento da maioria das empresas fazem isso.

Não percebem que treinamento é coisa para cachorros, macacos, elefantes.

Seres humanos não deveriam ser treinados, e sim estimulados a dar o melhor de si em tudo o que fazem.

Resultado: a maioria das pessoas se sente o patinho feio e imagina que todo o mundo se sente o cisne.

Triste ilusão: quase todo mundo se sente um patinho feio também.

Ainda há tempo!

Nunca é tarde para se descobrir único.

Nunca é tarde para descobrir que não existe nem nunca existirá ninguém igual a você.

E ao invés de se tornar mais um patinho, escolha assumir sua condição inalienável de cisne!"

Pense nisso!!!

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

LITERATURA E CARNAVAL.................. COMBINAM ?



Mas uma coisa podemos afirmar: as escolas de samba adoram levar a literatura para avenida! Vejam só :  A ACADÊMICOS DO SALGUEIRO (  enredo Navio Negreiro foi o primeiro da história do carnaval carioca a colocar negros em destaque, tendo como tema o poema homônimo de Castro Alves.) :Em 1963, a BEIJA-FLOR DE NILÓPOLIS (  apresentou o enredo Peri e Ceci, personagens principais de O Guarani, romance de José de Alencar ) ;  PORTELA  ( teve como enredo um livro de Manoel Antônio de Almeida. Memórias de um Sargento de Milícias deu o título de campeã do carnaval carioca à Portela, naquele ano de 1966.); a ESTAÇÂO PRIMEIRA DE MANGUEIRA (  Primeira de   levou Monteiro Lobato para a avenida.) ;Em 1975, a PORTELA  (  leva, novamente, uma obra clássica da literatura brasileira para a avenida. A obra Macunaíma (Macunaíma, Herói de nossa Gente), publicada por Mário de Andrade em 1928, foi cantada e seu samba enredo foi o vencedor do Prêmio Estandarte de Ouro daquele ano.) ; Em 1988, a VAI-VAI ( tinha como enredo Amado Jorge, a História de uma Raça Brasileira.) ;Em 2005, a escola carioca IMPERATRIZ LEOPOLDINENSE (  homenageou aos 200 anos de nascimento do escritor dinamarquês de histórias infantis, Hans Christian Andersen.); A MOCIDADE INDEPENDENTE DE PADRE MIGUEL   (  homenageou o centenário da morte do escritor Machado de Assis (2009) e, posteriormente, incluiu uma homenagem a Guimarães Rosa no mesmo enredo, Clube Literário - Machado de Assis e Guimarães Rosa... Estrelas em poesia!.) ;No ano passado, o SALGUEIRO (   levou o livro para a Marquês de Sapucaí. Contou sua história, desde a da Antiguidade até os tempos modernos, com o enredo Histórias sem fim, apresentando na avenida Harry Potter, Emília, a barata de Kafka e outros personagens da literatura mundial.)


 Fazendo uma breve pesquisa sobre o tema, percebemos que os autores, suas obras e seus personagens são enredos decorrentes no carnaval.
A ACADÊMICOS DO SALGUEIROS    foi a primeira escola de que se tem registro a levar a literatura para a avenida. O enredo Navio Negreiro foi o primeiro da história do carnaval carioca a colocar negros em destaque, tendo como tema o poema homônimo de Castro Alves.
“[...]
Castro Alves, que também se inspirou
E em versos retratou
O navio onde os negros
Amontoados e acorrentados
Em cativeiro no porão da embarcação,
Com a alma em farrapo de tanto mau trato,
Vinham para a escravidão.
[...]”
Em 1963, a BEIJA-FLOR DE NILÓPOLIS   apresentou o enredo Peri e Ceci, personagens principais de O Guarani, romance de José de Alencar. Até hoje, considerado por muitos, o maior samba de todos os tempos da agremiação.
“[...]
Viemos apresentar
De José de Alencar
Esta obra-prima e fabulosa
Com cenas heróicas e amorosas
De um índio guarani
Peri que só pensava em existir
Vivendo para Ceci
[...]”
  a PORTELA   teve como enredo um livro de Manoel Antônio de Almeida. Memórias de um Sargento de Milícias deu o título de campeã do carnaval carioca à Portela, naquele ano de 1966.
“[...]
Personagem central da história
Que contamos neste carnaval
[...]
Nosso herói outra vez se apaixonou
Amando com sua viola a mulata Violinha
Essa singela modinha cantou”

Já em 1967, a ESTAÇÂO PRIMEIRA DE MANGUEIRA  Primeira de   levou Monteiro Lobato para a avenida. O Mundo Encantado de Monteiro Lobato foi o enredo que contou e cantou a história e a obra desse autor. A magia criada por Lobato deu à escola o título do carnaval daquele ano.
“[...]
Glória a este grande sonhador
Que o mundo inteiro deslumbrou
Com suas obras imortais
Vejam quanta riqueza exuberante
Na escritura emocionante
Com seus contos triunfais
Com seus personagens fascinantes
Nas histórias tão vibrantes
Da literatura infantil

Em 1975, a PORTELA   leva, novamente, uma obra clássica da literatura brasileira para a avenida. A obra Macunaíma (Macunaíma, Herói de nossa Gente), publicada por Mário de Andrade em 1928, foi cantada e seu samba enredo foi o vencedor do Prêmio Estandarte de Ouro daquele ano.

“[...]
Macunaíma fascinou
E ao luar se fez poema
Mas ao filho encarnado
Toda maldição legou
Macunaíma, índio branco, catimbeiro
Negro sonso, feiticeiro
Mata a cobra e dá um nó

[...]”Também as escolas de samba de São Paulo já homenagearam autores na avenida. Em 1988, a VAI-VAI tinha como enredo Amado Jorge, a História de uma Raça Brasileira. A vida e a obra do escritor baiano deu o título à comunidade do bairro Bixiga.
“[...]
Jorge Amado
Mestre na literatura
Fez da epopéia de um povo
A sua arte em romance de ternura
Olha a folha da mangueira
Aê Bahia
Quando venta cai no chão
Aê Bahia

Em 2005, a escola carioca IMPERATRIZ LEOPOLDINENSE   homenageou aos 200 anos de nascimento do escritor dinamarquês de histórias infantis, Hans Christian Andersen. Com o enredo Uma Delirante Confusão Fabulística, levou o mundo infantil para a avenida homenageando também o escritor brasileiro Monteiro Lobato, com alas e um carro sobre o Sítio do Picapau Amarelo.
“[...]
Era uma vez...
Em um mundo encantado, se prepare pra sonhar...
Contos de fadas, rainhas e reis
Roupas que o povo não pode enxergar
Os sapatinhos dançando sozinhos
Um rouxinol a cantar
Sereia menina, a bailarina...
Universo criado por um sonhador
E o menino venceu a pobreza
E fez da arte a linda princesa
Com quem viveu grande amor
[...]
A turma do sítio apronta
A imperatriz faz de conta
Emília cantando assim:
Vem viajar nessa história
É só dizer pirlimpimpim”

A MOCIDADE INDEPENDENTE DE PADRE MIGUEL    homenageou o centenário da morte do escritor Machado de Assis (2009) e, posteriormente, incluiu uma homenagem a Guimarães Rosa no mesmo enredo, Clube Literário - Machado de Assis e Guimarães Rosa... Estrelas em poesia!.

“[...]
Machado de Assis que fez da vida sua inspiração
um literato iluminado
As obras, um destino à superação
nos olhos da arte reflete o legado
do gênio imortal do bruxo amado
que deu ao jornal um tom verdadeiro
apaixonado pelo Rio de Janeiro

No ano passado, o SALGUEIRO   levou o livro para a Marquês de Sapucaí. Contou sua história, desde a da Antiguidade até os tempos modernos, com o enredo Histórias sem fim, apresentando na avenida Harry Potter, Emília, a barata de Kafka e outros personagens da literatura mundial.
“Sonhei... no infinito das histórias
Iluminando a memória, me encantei
Brilhou... realidade e fantasia
Como nunca imaginei
Na arte do saber um novo amanhecer
Divina criação, primeira impressão
O livro sagrado da vida
Virtude pra eternidade
A leitura estimulando
A mente da humanidade
[...]
Academia do samba é Salgueiro
No livro do meu carnaval”

As escolas de samba de Porto Alegre também já levaram a literatura para a avenida. Em 1981, a Estado Maior da Restinga, ganhou o terceiro lugar com o enredo De repente, Vinícius na Tinga. Em 95, Monteiro Lobato foi para a avenida e deu o título para a Imperadores do Samba e, em 2004, a vida e a obra de Luiz Coronel foi o enredo da União da Vila do IAPI.